Entrevista com João Paulo Procópio, diretor e roteirista do filme “Marés”

Sócio da produtora brasiliense Pavirada Filmes, João Paulo Procópio já se desdobrou em várias funções na construção de curtas e longas-metragens de ficção, da montagem do premiado “O Último Cine Drive-in” (2015) a assistência de direção de “Simples Mortais” (2011, com Leonardo Medeiros no elenco). São experiências que trouxeram a segurança para se aventurar em “Marés”, em que assume pela primeira vez o comando de um filme nos postos de direção e roteiro.

Terceiro título da nova temporada do Projeta às 7, uma iniciativa da Cinemark com a distribuidora Elo Company que oferta cinema brasileiro por um preço acessível sempre às 19h de segunda a sexta-feira – e que segue em cartaz em mais de 20 cinemas da rede -, o drama acompanha Valdo (Lourinelson Vladmir, revelado em “Para Minha Amada Morta“), um fotógrafo em um processo autodestrutivo oriundo de seu alcoolismo. Em entrevista concedida por e-mail, João Paulo Procópio conta sobre o que o motivou a contar essa história, a influência da tensão política diária e sobre projetos futuros.

.

Você é responsável há alguns anos pela produtora Pavirada Filmes e se desdobrou em funções como editor e diretor assistente. Debutar recentemente como diretor e roteirista de longa-metragem com “Marés” era uma intenção que sempre esteve em seus objetivos profissionais ou foi uma consequência natural a partir do envolvimento com outras unidades de atuação em projetos cinematográficos?

Olá Alex! Primeiro, muito obrigado pelo interesse em dialogar sobre o “Marés”. De fato, o filme é a minha primeira experiência em direção de longas, mas nesses 18 anos de experimentos audiovisuais dirigi outros trabalhos, entre documentários, curtas, publicidade e institucionais. Então partir para a direção de longas era também um objetivo dentro dessas buscas. Acontece que ao longo dos anos fui sendo demandado para outras funções dentro dessa cadeia produtiva. Adoro assumir a montagem das obras, e também fui ganhando a confiança própria e de outros diretores para assumir as produções. Nisso, produzi e montei alguns filmes que muito me orgulham, pelos processos e resultados. Mas a direção obviamente muda a relação com a obra. São experiências que se somam, que me fortalecem na intenção de dirigir próximos projetos autorais, mas também me prepara melhor para exercer as funções que venho experimentando com maior frequência nesses últimos anos.

Em “Marés”, acompanharemos Valdo, o protagonista de sua história, lutando contra o vício do alcoolismo. Todos nós temos em nossos círculos sociais alguém que passa pelo mesmo revés e me pergunto se o tema te ocorreu a partir de uma vivência pessoal ou mais pela curiosidade em explorá-lo por seu potencial dramatúrgico.

É difícil alguém que não tenha alguma relação com o alcoolismo. É uma questão que afeta toda a sociedade, todas as famílias. Originalmente o tema apareceu por ouvir histórias via de regra engraçadas em minha roda familiar, onde invariavelmente os envolvidos estavam bêbados. Sai em minha pesquisa a partir dessas construções de cenas e personagens, e fui entrevistar amigos de copos e familiares de alguns boêmios. Nas entrevistas, ficou clara uma linha: os amigos de copo narravam histórias engraçadas, absurdas; ao passo que esposas e filhos narraram histórias com camadas claramente melancólicas. Então esse potencial dramatúrgico foi o que primeiro me interessou. Passei para uma pesquisa meticulosa por este universo do alcoolismo, e passei a frequentar reuniões de Alcoólicos Anônimos, sempre me identificando como roteirista e ouvinte. E daí me deparei com algo muito potente, de pessoas que reconhecem um problema e o enfrentam. Vários estigmas foram desfeitos nesse mergulho.

Desde que estourou com a sua fabulosa atuação em “Para Minha Amada Morta”, Lourinelson Vladmir vem trabalhando sem parar. Como foi o processo para auxiliá-lo a adentrar esse personagem, que a todo o momento parece tão vulnerável física e emocionalmente?

Eu convidei o Lourinelson para viver o Valdo dois dias depois da exibição de estreia do “Para Minha Amada Morta” no 48º Festival de Brasília. Era o lançamento dele como ator, pois atuava até então como advogado. Quer dizer, de lá pra cá ele se lançou, foi descoberto por vários outros diretores, mas fui o primeiro a convidá-lo após vê-lo em um trabalho tão arrebatador como no filme do Aly Muritiba. E tive muita sorte nessa intuição: Lourinelson é muito inteligente e comprometido, o tipo de ator que eu precisava para esta minha primeira aventura na direção de um longa. Conversávamos muito sobre essa construção, e várias de suas observações foram assimiladas também. O Valdo precisava ser um cara que tivesse um problema posto, o alcoolismo – mas que não fosse facilmente descartável. Era preciso querer dar chance a ele, mesmo frustração após frustração. Existe algo tênue e arriscado no Valdo. Já saí de sessões seguidas de debate onde tinha pessoas no público com muita raiva dele, outras que nem o consideraram um cara tão problemático assim. Daí depende muito do repertório de cada um, de que tipo de situações já viveram em relação ao alcoolismo. Acho esse o ponto mais valioso do filme.

As filmagens aconteceram em 2017, mas você escolhe ambientar “Marés” exatamente em um momento político muito delicado em nossa história recente: o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Quais as motivações e comentários que busca estabelecer ao aproximar o seu protagonista de um contexto em que o debate político chega a assumir o protagonismo de algumas cenas?

Estamos em um contexto da história do Brasil que naturalmente impregna o nosso dia a dia, ainda mais numa criação artística. Para mim tinha naquele momento algo no ar que pairava e que, independente da posição política e polarizada, estavam todos entorpecidos, gritando para surdos. Muita coisa ruindo, muitos com muitas certezas mas sem saber direito o que fazer com aquilo pois não se sabia para onde íamos. Sinto que nesse paralelo, hoje estamos todos experimentando uma ressaca muito forte. Gosto de ver o filme agora em seu lançamento, em pleno 2019, onde o absurdo parece ter alcançado um ápice (e já tivemos essa sensação antes nos últimos anos).

Já passando o frio da barriga advindo de uma estreia, tem planos de se aventurar na direção e roteiro de um novo longa-metragem?

Trabalho o roteiro de uma minissérie chamada “Rastros”, sobre as memórias de um ex-agente secreto da ditadura militar brasileira; e um roteiro de longa ainda sem nome definido sobre um colunista social que começa a ficar mais envaidecido com as repercussões de suas matérias quando publica, porventura, reportagens mais verdadeiras e reveladoras. Mas agora o que mais me instiga e muito me honra é assumir a produção executiva de “Eu Vou Tirar Você Desse Lugar”, filme que marcará a estréia em direção de longas da maravilhosa Marcélia Cartaxo. É de fato um projeto que me enche de entusiasmo, e muito feliz de nesse momento da minha carreira carregar essa responsabilidade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s